Mercados em 2021

Depois de um ano difícil de imaginar para muitos investidores, surge 2021 repleto de receios e dúvidas. Neste artigo antevemos aquilo que se poderá passar nos mercados em 2021.

 

Um 2020 difícil de imaginar

Hoje sabemos sem margem para dúvidas que 2020 vai ficar para a história. O surgimento e rápido alastrar de uma pandemia pelo Mundo trouxe alterações drásticas ao funcionamento das sociedades e aos hábitos da humanidade. Como seria de esperar estes efeitos tiveram consequências significativas nos mercados financeiros. Se por um lado houve áreas de negócio bastante prejudicadas com a situação criada, por outro também houve produtos e serviços que registaram um crescimento de procura exponencial.

A incerteza causada pela pandemia provocou níveis de volatilidade elevados ao longo de todo o ano de 2020. Em Março assistiu-se mesmo a uma queda pronunciada dos principais índices bolsistas mundiais o que se traduziu no fim do bull market mais longo da história. Alguns meses mais tarde, estas quedas foram, no entanto, totalmente recuperadas na maioria dos índices bolsistas.

 

Assim chegamos a 2021

O ano de 2021 surge numa altura em que um pouco por todo o Mundo as vacinas para a Covid-19 começam a ser distribuídas e administradas. Apesar da Organização Mundial de Saúde ter recentemente afirmado que em 2021 não será possível atingir a imunidade global à doença, a verdade é que psicologicamente a população vê uma luz ao fundo do túnel e será de esperar um clima de otimismo crescente ao longo de 2021.

No momento atual, a par das campanhas de vacinação em curso, estamos perante uma nova vaga de infeções que tem colocado sob pressão os serviços de saúde de todo o mundo. Esta vaga tem dado origem a novos confinamentos praticamente totais o que tem consequências a nível económico.

 

As bolsas em 2021

A tarefa de antecipar o comportamento dos mercados bolsistas em 2021 não é fácil. Por um lado, teremos ao longo do ano uma cada vez maior parte da população vacinada e imune ao Covid-19. Esta situação faz com que progressivamente a população possa ir recuperando os hábitos de consumo anteriores que causaram perdas colossais em diversas áreas de negócio como a restauração, aviação, eventos, entre outros. Assim, é possível antecipar que as empresas poderão vir a ter condições para recuperar os níveis de faturação anteriores. Apesar disto é necessário ter em conta que muitos negócios têm prejuízos acumulados significativos e, portanto, tanto o momento em que a recuperação se começar efetivamente a verificar, bem como o seu ritmo, poderão determinar a sua sobrevivência.

Por outro lado, temos assistido a uma valorização exponencial de outras áreas de negócio consequência do aumento de procura dos produtos que comercializam. Este rápido e pronunciado crescimento, no entanto, levanta algumas dúvidas acerca da sua sustentabilidade no futuro. Desta forma 2021 será um teste a muitas destas empresas que, num curto espaço de tempo, atingiram valorizações exponenciais em bolsa.

Apesar das incertezas expostas nos parágrafos anteriores que dificultam a tarefa de prever com exatidão a direção dos mercados em 2021, um aspeto parece evidente: deveremos ter níveis de volatilidade elevados ao longo de todo o ano. Os diferentes ritmos de recuperação, eventuais novas vagas de infeções, entre outros, deverão fomentar entre os investidores um clima de indefinição o que consiste no combustível perfeito para se assistir a movimentos fortes tanto de subida como de descida.

 

Conclusão

Apesar de ser difícil prever com exatidão o comportamento dos mercados em 2021, pode-se afirmar que a pandemia que tantos prejuízos causou ao longo de 2020, irá progressivamente ser resolvida e estaremos cada vez mais perto de voltar à maior parte dos hábitos passados. Assim, estaremos a atravessar uma fase na qual existem diversas oportunidades nos mercados financeiros, para investidores que possuem um horizonte temporal de investimento longo. Para investidores particulares deste tipo a forma mais recomendada de conseguir exposição aos mercados financeiros é através de fundos de investimento que podem vir a beneficiar de boas rentabilidades à medida que a recuperação da atividade económica mundial vá acontecendo.

Artigo publicado in Optimize